Cornucópia

feridaVinte e um anos depois de seu sepultamento, a prostituta Dewi Ayu ergue-se do túmulo.

Caminha até sua antiga casa, onde encontra Beleza, a mais nova de suas quatro filhas.

Beleza havia nascido 12 dias antes do enterro de Dewi Ayu . Como todas as suas gestações, ela foi fruto de estupro e/ou de sexo com um cliente.

Por conta disso, Dewi Ayu tentou matá-la ainda no ventre.

Não conseguiu. Mas se sentiu feliz, pois, ao contrário de suas outras filhas, a bebê era tão horrenda que ficou na dúvida se não era “um monte de merda”.

Deu a ela o nome de Beleza, um elogio à feiura. Em seguida, cobriu-se com uma mortalha e deitou-se à espera da morte.

Assim como Maria deu à luz o Filho de Deus e as duas esposas de Pandu trouxeram ao mundo seus pequenos deuses, o meu útero é um lugar onde os demônios depositam suas sementes, e assim nascem pequenos demônios de mim. E já estou farta disso, sentencia.

A partir daí, A beleza é uma ferida, romance de estreia do indonésio Eka Kurniawan, recua no tempo, posicionando sua protagonista como testemunha ativa das transformações sociopolíticas de seu país.

Vive-se a Segunda Guerra Mundial, e os japoneses acabaram de massacrar e tomar o domínio dos colonizadores holandeses.

Dewi Ayu está na cidade fictícia de Halimunda. Ali cresceu na fazenda de seus avós, até o exército nipônico a fazer prisoneira, em seguida prostituta.

Numa lógica deturpada, torna-se a melhor, a mais requisitada. Crava que fez sexo com 162 homens.

Durante esse período, dá à luz a três filhas exuberantes, que, em circunstâncias inimagináveis, irão se casar com as figuras mais importantes da história da cidade: o revolucionário Maman Gendeng, o comandante militar Shodancho e o comunista Kliwon.

Os turbilhões afetivos irão se compactuar aos turbilhões de natureza política, resultando em casos de violência, crimes e fatalidades; focos de conflitos e de resistência.

A melhor representação para o livro é a de uma grande cornucópia. Mas não uma comum, e sim uma de conteúdo sui generis.

Nada deve ser tirado ao pé da letra, nesse volumoso romance sitiado pela sátira e pela obscenidade, que combina realismo mágico, tragicomédia, folclore e superstição.

Estupro, incesto e pedofilia são descritos com uma naturalidade escandalosa.

Mulheres aceitam ser escravizadas sexualmente como se fosse um destino incontornável; o relacionamento carnal entre um adulto e uma menina de oito anos não causa espanto.

A certa altura, um personagem argumenta: Ela tem apenas 12 anos. Daí, um outro responde: Os cães casam aos 2 anos, e as galinhas, aos 8 meses.

Kurniawan é cruel no exame endoscópio da vida prosaica dos atores de sua trama, pois retratam o passado recente da Indonésia, uma nação formada por abusos praticados pela colonização e por intervenções bélicas, enraizando males sociais a exemplo da prostituição infantil, reconhecida internacionalmente.

Os fantasmas do tempo ganham as páginas de forma literal e metafórica, nesse triunfo da imaginação.

***

Livro: A beleza é uma ferida

Editora: José Olympio

Avaliação: Excelente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s