Breviários

mordacaOs poemas e os contos que compõem Mordaça estabelecem uma unidade entre gêneros a partir da temática.

Em sua nova antologia, o escritor André Ladeia reflete sobre a natureza humana e suas distorções que resultam em guerras, desgraças, abalos morais e terrores cotidianos.

É um trabalho de incisão, de disparos sumários, todavia lustrados por um verniz de sarcasmo, uma sagacidade mordaz que se insinua ao niilismo.

Vide o poema “Homem bom”, um tiro na cabeça do bom samaritano.

Certa vez/Conheci um homem tão bom/Mas tão bom/Que quase era um cachorro.

Se toda obra tem sua chave simbólica, os textos de Ladeia são uma ode ao escarnecimento; tipos de breviários norteando indivíduos que, diante de um mundo de irreversível caos, reagem de forma a expor as manchas sociais desse organismo padecente chamado História.

Versos brancos, multiformes, prosaicos. Uma poesia que se abstrai de movimentos líricos, para achar impacto na secura-quase-silêncio.

São nos contos, porém, que estão os melhores momentos do livro.

Flertando com a erudição e a história mental, o autor trabalha bem certos estados de consciência, demonstrando que deve apostar mais no gênero.

***

Livro: Mordaça

Editora: Oito e Meio

Avaliação: Bom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s